cursos online

Como Será o Futuro dos Alimentos em 2050?

 Como sera o futuro dos alimentos?

Em 2050 haverá mais 2 bilhões de nós no planeta. Com o crescimento da população global e escassez de recursos  naturais no planeta, o que estará no seu prato e na lancheira das crianças não será mais as mesmas coisas. Usando a tecnologia para preencher as lacunas existentes no sistema alimentar, as tendências se espalham mais rapidamente que a ciência, e o que comemos é muito mais elaborado.A perspectiva de qual será o futuro da comida nos parece tão emocionante quanto aterrorizante. No recém-concluído festival de artes midiáticas, Eyemyth, em uma das sessões a Edible Issues, plataforma indiana, falou sobre como será o futuro dos alimentos. E eles elaboraram alguns cenários.

Futuro do Alimento – Cenário 1: As crianças usarão a biologia sintética para cultivar sua própria carne (proteína) nas refeições do meio do dia.

Não sabemos o que Winston Churchill estava pensando (fumando?) quando ele disse em 1931: “Vamos escapar do absurdo de cultivar um frango inteiro para comer o peito ou a asa, cultivando essas partes separadamente sob condições adequadas”. Mas suas palavras estão assustadoramente mais próximas da realidade.

Desde sua estréia mundial em 2013, a carne cultivada em laboratório percorreu um longo caminho. A ideia de usar a cultura de tecidos para “crescer” partes da carne é apresentada como mais eficiente, limpa e ecológica.

Em 2050, teremos uma população de 9 bilhões no mundo, 1/6 da qual será da Índia. Além da população, a crescente riqueza e a mudança nos padrões alimentares podem levar a um aumento da demanda por carne. A sustentabilidade da produção de carne não é o único problema que a carne cultivada em laboratório resolverá.

De acordo com a Associação Dietética Indiana, as dietas vegetarianas indianas são 84% deficientes em proteínas. Portanto, uma alternativa acessível de carne pode potencialmente resolver o problema de deficiência de proteínas nas dietas vegetarianas indianas. Como a Índia parece se tornar o centro da pesquisa de carne cultivada, esses produtos podem chegar às prateleiras dos supermercados mais cedo do que você pensa.

Por outro lado, o sistema de refeições está cheio de problemas. Nem toda criança que tem direito recebe. Ou o que eles recebem não é nutricionalmente benéfico. Tecnologias como carne cultivada têm um grande potencial para resolver isso.

Prevemos um futuro alimentar em que as crianças serão tão conhecedoras de tecnologia, informações tão difundidas e de código aberto, que as crianças poderão cultivar seu próprio almoço, de acordo com suas necessidades nutricionais.

Futuro do Alimento – Cenário 2: Os idosos receberão suas refeições entregues por drone, com base em dados de sensores intestinais e em tempo real. 

Cerca de 1.000 espécies de microrganismos vivem em nosso intestino, mas só podemos identificar menos de 5% deles. Mais pesquisas precisam ser feitas para entender o que está em nosso intestino, que tipo de bactéria você possui e como todas elas reagem ao que comemos. E todos esses pequenos organismos poderão moldar nosso corpo. Acontece que somos, literalmente, o que comemos.

Embora a obesidade e a subnutrição predominem na Índia, não é mais um modelo único. Será sobre o que melhor combina com cada indivíduo. Esqueça tudo o que se sabe sobre o que devemos comer, isso está prestes a mudar. Com os dados mais difundidos e a capacidade de rastrear cada pedaço do nosso corpo, comer pela saúde intestinal moldará a forma como comemos.

Leia também:

1- A Tecnologia e o Futuro dos Supermercados Tradicionais

2- Como as Pessoas que Estão Entrando na Quinta Dimensão Estão Agindo?

3- As Mudanças Climáticas e o Fim do Mundo Materialista

Mas as empresas de entrega de alimentos sabem o que comemos e quando comemos. Se eles podem ter acesso aos nossos dados agora, poderão, no futuro, ter acesso aos sensores intestinais? Esse alimento poderá ser personalizado e entregue por drone, da maneira que seu intestino gostaria?

Pode parecer uma trama de todos os filmes de ficção científica mal escritos, mas ouça, com mais pesquisas sobre bactérias intestinais e nutrição, isso não é tão absurdo. E o Zomato já está testando drones para entregar comida, então até que ponto é esse futuro não tão distante de levar dabbawalas digitais para entregar sua comida?

Futuro do Alimento -Cenário 3: Nem todo mundo poderá pagar por alimentos tradicionais. E as pílulas que terão sabor de comida de verdade são racionadas.

Imagine o seguinte: você entra em um Idli Villas, um local de café da manhã de domingo que tem sido o seu alimento principal desde que você se lembra. Você assistiu à mudança do menu, do café vegano ao ceto vadas, e verá um novo item que será mais comum ser servido, as pílulas.

Sim, pílulas, mas não a versão low-tech soylent, que conhecemos desde 2014 (que serão muito mais baratas do que a maioria dos alimentos). Refiro-me às pílulas de alimentos sintetizadas que têm o mesmo gosto do bom e velho idli, vada, dosa e chutney.

Você está pensando por que não estaremos comprando a comida “real”, as que são cultivadas na terra, colhidas e cozidas com fogo? Compraremos apenas em nossos sonhos, uma refeição cozida com alimentos colhidos no solo não será acessível como é hoje.



As inovações na agricultura cresceram aos trancos e barrancos e, à medida que a comunidade orgânica reconsidera a tecnologia de edição de genes como o CRISPR, a intensificação em nossas terras afeta o ecossistema.

Mas por que os idlis eram tão baratos, você pergunta? Isso ocorre porque o arroz foi fortemente subsidiado pelo governo no Sistema de Distribuição Pública (PDS).

Mas, no futuro, veremos um governo lutando para alimentar 9 bilhões de pessoas, com terras não férteis, tecnologia mais barata, fabricando “PDS-Pills”, que consomem menos recursos, serão mais nutritivos e terão o gosto do alimento tradicional. Esse será o caminho mais simples.

Fonte: Vice

Assista o vídeo da DW, canal de TV da Alemanha, sobre “As tendências da alimentação no futuro:

 

Esteja sempre por dentro de nossas publicações. Siga o Futurotopia no Instagram: