PRÉ-CINEMA E YOUTUBE

Livestreaming chegou para ficar na era pós-lockdown da China

# Livestreaming na China

Enquanto a China começa a mostrar sinais de recuperação do longo e duro período de lockdown dessa pandemia de coronavírus, as opções de livestreaming foram ampliadas com novas plataformas entrando no jogo. E a briga vai ser feroz!

Em 2019, as vendas de comércio livestreaming na China atingiram US$ 61 bilhões, segundo a iiMedia Research Group, número que agora deve dobrar para US$ 129 bilhões em 2020. Inicialmente concentrada principalmente no Taobao Live e em plataformas específicas, como Yizhibo, as transmissões estão sendo cada vez mais priorizadas por outras plataformas populares por aqui, como Douyin (versão chinesa do TikTok), o WeChat, o Xiaohongshu (ou “Red”) e a plataforma de vídeos Bilibili.

A plataforma Taobao Live do Alibaba ainda é a líder incontestável das transmissões ao vivo com foco em vendas. Em fevereiro, no auge do lockdown, o número de vendedores transmitindo ao vivo aumentou 719%.

Agora, outras plataformas estão avançando para desenvolver seus próprios recursos. Xiaohongshu (Red), que funciona como um mashup do Instagram e Pinterest e é conhecido por publicações relacionadas a compras e análises de produtos, dobrou o livestreaming desde o surto de coronavírus. A Louis Vuitton se tornou a primeira grande marca internacional de luxo a sediar um livestreaming próprio dentro da plataforma, mostrando a coleção de verão da marca em um evento com uma hora de duração, no final de março. As empresas de beleza também estão montando suas transmissões ao vivo no Red: a L’Oréal organizou uma no dia 18 de março, promovendo brindes, ofertas e cupons com antecedência para incentivar visualizações e engajamento.

A quarentena foi muito eficaz para algumas das marcas que não estavam dispostas a sair da caixa antes o fizessem. Da necessidade surgiu a oportunidade, não era possível adiar mais. Para muitos foi uma questão de sobrevivência.

O Red tem aumentado os seus recursos de livestreaming com monetização como um laboratório, visando uma massificação no futuro. Atualmente as vendas ainda não são tão relevantes porque sua participação no mercado de comércio eletrônico é pequena em comparação com Tmall ou JD.com, os dois gigantes que dominam esse segmento.

O WeChat também ampliou os recursos de livestreaming com o lançamento do Mini Program Kandian, no início de março. Com o objetivo de aumentar o volume de compras através das transmissões ao vivo, no estilo Taobao, esse novo in-app permite que influenciadores e vendedores façam suas lives e postem o link para comprar produtos através de páginas HTML5 ou até mesmo outros Mini Programs conectados.

LEIA TAMBÉM:
 
1) As Marcas e o Novo Futuro.
2) 3 CURSOS INCRÍVEIS, que vão mudar sua visão de vida e são gratuitos.

Uma das primeiras marcas de beleza a aproveitar os novos recursos de livestreaming do WeChat foi a Perfect Diary, uma startup de beleza com investimento da Sequoia. De acordo com um relatório da Reuter Communications, quase 1.000 marcas de moda, beleza e estilo de vida fizeram livestreaming no WeChat Mini Programs no Dia Internacional da Mulher, causando um aumento de 83% no tráfego de social commerce do super app.

livestreaming ajudou a manter os usuários ativos nas plataformas por mais tempo do que outras formas de mídia. Durante o auge da epidemia de Covid-19 na China, em fevereiro, os usuários passaram em média 120 minutos assistindo transmissões ao vivo no Douyin, além de outros 89 minutos assistindo outras formas de conteúdo no aplicativo diariamente, dados da Daxue Consulting. Para comparação, o usuário médio do TikTok gastava cerca de 45 minutos por dia no app em 2019. No Bilibili, foram 190 minutos de livestreaming em comparação a 105 minutos de outro conteúdo em vídeo. Durante o período de férias do Ano Novo Chinês, com a população já em quarentena, o uso geral do Douyin aumentou 102% graças ao conteúdo de entretenimento transmitido ao vivo, como o “Cloud Raves”.

livestreaming na China definitivamente veio para ficar. Embora o país esteja no modo de recuperação não acho que podemos acenar com uma varinha mágica e dizer: ‘Oh, tudo está ótimo agora, já voltamos ao que era’. Acredito que as pessoas provavelmente serão bem mais cautelosas por algum tempo, principalmente no momento de participar de grandes eventos ou viajar.

Um fato que venho observando é que o livestreaming para ativações offline se tornará mais essencial e mais necessário na era pós-coronavírus, pois permite que as marcas tenham mais agilidade e se mantenham vivas na mente dos consumidores.

Em momentos como esse, empresas e marcas que são digitais; que fortaleceram a presença digital na China estão nadando de braçada e isso também acontecerá no resto do mundo.


Já leu essa aqui?

Deixe um comentário